BLOCKCHAIN

CredMei, de antecipação de recebíveis, capta R$ 40 milhões em operação via plataforma de DeFi

Com emissão da debênture, fintech CredMei vai ampliar a carteira de crédito por meio da antecipação de recebíveis para PMEs

Em meados de novembro, a Credix, marketplace de empréstimos por meio de DeFi (finanças descentralizadas, em inglês), anunciava uma linha de crédito de cerca de R$ 300 milhões. O alvo eram pequenas e médias empresas (PMEs) da América Latina. Agora, a CredMei, fintech especializada em antecipação de recebíveis para PMEs, acaba de emitir uma debênture de R$ 40 milhões com a mesma Credix. A operação foi anunciada com exclusividade ao Finsiders.

Fundada em Uberlância (MG) em 2013 por Guilherme Ribeiro, a CredMei tem como clientes pequenas e médias empresas do agronegócio, indústria e distribuidoras. Nos últimos 10 anos, desembolsou mais de R$ 1 bilhão. Por meio de uma plataforma que une tecnologia proprietária e inteligência artificial (IA), integrada às principais certificadoras digitais do país, a startup diz ser capaz de realizar análises de crédito com liberação do recurso em até 5 minutos.

De acordo com a fintech, a entrada recente de capital será utilizada para acelerar a concessão de crédito. “Queremos apoiar um número ainda maior de empresários espalhados pelo Brasil. Temos como foco empresas que necessitam de capital para fazer a roda girar. São negócios que sustentam a indústria alimentícia do país, mas que dependem de longos prazos ditados pelas grandes redes para o recebimento por seus produtos e serviços”, afirma Guilherme Ribeiro, CEO da CredMei, em nota. 

Pela estrutura da operação, o funding vem do pool de crédito formado na plataforma da Credix. Já a Kanastra, backoffice de investimentos alternativos, atua como agente de monitoramento. Em outras palavras, é a responsável por garantir que a operação esteja em conformidade com o perfil de risco combinado com os investidores. Além disso, para cada novo ativo a ser desembolsado, a CredMei envia os detalhes da transação à Kanastra, que, por sua vez, verifica a elegibilidade, validação de lastro, registro da cessão e indicadores de performance de risco.

Debêntures na ‘moda

Instrumentos como as debêntures e os certificados de recebíveis (CRs) estão ganhando força como fontes de financiamento para fintechs que operam com crédito.

De acordo com especialistas, a tendência é que com a queda da Selic as fintechs acelerem a busca por capital, com essas modalidades de ‘funding’ despontando como os meios principais, ao lado dos FIDCs.

Saiba mais:

Credix anuncia US$ 60 milhões em crédito para fintechs latinas

Debêntures e CRs crescem como opções de funding para fintechs

Na Empírica, FIDCs de fintechs são a maioria — e devem continuar crescendo